Dia 22. O Coração do Perdão

         Lembro, quando criança, que aprendi a frase “devemos perdoar aos que nos ofendem”. Minha compreensão naquele momento era muito simples. Ofender se tratava de falar mal de alguém, fazer fofoca ou incomodar alguém. Quando cresci, descobri que ofender significava muito mais: tratava-se de pecar contra alguém. Assim, entendi que os seres humanos se ofendem constantemente e de diferentes maneiras.
 
         Acredito que ofender alguém é muito sério. Por isso, Jesus, na oração do Pai Nosso, toma uma posição muito clara: Ele nos pede que perdoemos as pessoas que pecam contra nós. Ele mesmo é exemplo de uma atitude de perdão. Na oração, assume que o Senhor estende Sua mão de perdão para todos e, por consequência, espera que essa também seja a atitude de Seus filhos.
 
         O perdão é um conceito inserido por Jesus como um meio que nos ajuda a restabelecer as relações interpessoais que, constantemente, são atacadas pelo pecado.
 
         Quando não disponibilizamos perdão aos outros, estamos negando a graça de Deus para nós mesmos. Jesus determina que a solução para nossa capacidade de ofender está na mesma capacidade de perdoar.
 
         Em minha experiência pessoal, tenho descoberto que a maior dificuldade que tenho no momento de perdoar ou pedir perdão é submeter meu orgulho ao caráter de Cristo, e me vejo lutando com meus sentimentos.
 
         Por isso, entendo que o ato de perdoar é uma decisão do coração que requer uma profunda relação com aquele que me capacita.
 
         Perdoar é uma disciplina que nos ajuda na luta contra o orgulho, santifica os relacionamentos, ajuda a manter a maturidade e a honrar ao Senhor.
 

 

         Quais são as dificuldades que você experimenta quando o assunto é perdão?
 
Geovanna Orozco é formada em Comunicação Social pela Universidade de Quito e missionária da Cru Campus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *