Dia 29. Firmado na Rocha

         A busca por valores éticos, tornar-se uma pessoa melhor ou o interesse de desenvolver alguma espiritualidade têm feito muitas pessoas buscarem as religiões e até mesmo Jesus. Tem-se, no imaginário das pessoas, que Jesus era legal porque ensinava boas coisas e O colocam como mais um entre muitos. Porém, bem diferente das generalizações que a relatividade tenha criado, a autenticidade da vida cristã não está em valores éticos e hábitos que a religião venha transmitir, até porque a proposta de Jesus não se sustenta na superficialidade humana.
 
         A parábola dos dois edificadores (MT 7.24-27) mostra que a diferença das duas casas consiste unicamente no que não pode se ver, o alicerce. O tolo ouve as palavras de Jesus e não as pratica apesar de ter construído a casa. Sua aparente espiritualidade mostra sua confiança na sua própria capacidade de praticar boas obras. Porém, Jesus não coloca diante de seus discípulos uma lista de regras éticas fáceis de obedecer. E quando surgem as dificuldades da vida, não há capacidade humana que venha a sustentar todo o peso da casa construída. O ser humano se cansa, se fadiga e desmorona.
 
         Para seguir com autenticidade os ensinamentos de Jesus, é necessário cavar bem o alicerce, e isso consiste em estar firme Nele. Não é apenas ter a consciência de fazer atos bondosos, mas ter o coração rendido a Ele. “Nossa justiça tem de ser mais profunda porque atinge também o nosso coração, e o nosso amor tem de ser mais amplo porque abrange também nossos inimigos.”1 Praticar os ensinos de Jesus significa renúncia, morte do ego, e só então poderemos estar firmes, pois o próprio Cristo vivo em nós nos sustentará quando vierem as tempestades.
Leia Tiago 2:21-26 e reflita:
•       Até onde sua fé se resume a um conceito meramente intelectual?
 
•       Que renúncias você ainda precisa fazer para deixar de ser um ouvinte e tornar-se praticante do que Cristo ensinou?
 
•       Quais passos práticos você irá tomar a partir de então?

1STOTT, John. Sermão do Monte. p. 98 (STOTT, John. A mensagem do Sermão do Monte: contracultura cristã. São Paulo: ABU Editora, 1981. 


Jairla Pedroza é formada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Ceará e atua como missionária da Cru Campus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *