Deus agindo nas universidades de Petrópolis através de uma estudante da Rural

Se preparar para uma semana que você sabe que seria um marco na sua vida, mas que você não faz ideia do que realmente vai acontecer, tem a mesma sensação que experimentar um daqueles brinquedos em um parque de diversões que poucos tem coragem de ir. Apesar do medo inicial, você tem a certeza que no final será uma boa experiência. Foi assim que inicialmente me senti quando comecei a me preparar para o Projeto Petrópolis.
 
Meus dias anteriores a essa semana, foram dias em que passei por situações onde tudo aparentemente estava fora de controle, com o coração em pedaços e sem saber o que fazer em seguida… Acontece que Deus já estava no controle, como sempre esteve. E toda essa semana em Petrópolis já havia sido programada nos mínimos detalhes.
 
Dizendo e escrevendo assim, me parece tão óbvio afirmar isso. Até porque eu sempre disse algo do tipo a outras pessoas e já ouvi isso inúmeras vezes. Mas pense, erámos em média 22 estudantes, em uma cidade desconhecida, dispostos a evangelizar pessoas de universidades desconhecidas. É mais fácil lidar com questões assim, quando você está bem ambientado, como acontece dentro das nossas universidades. De fato é mais cômodo. Porém, comodismo não era nossa prioridade. Deus nos desafiou a estar lá porque Ele viu a necessidade de estarmos lá e nos escolheu para fazer parte disso. E tenham certeza de uma coisa: Petrópolis é uma cidade muito amada por Deus. E tivemos o privilégio de viver esse amor em todos os momentos. Sem exceção de dias. Desde a Igreja em que fomos instalados, com todos os seus membros extremamente receptivos e conscientes do que é ser Igreja, cuidando e orando por nós, até as pessoas em que abordamos.
 
O grupo foi dividido e cada grupo pôde ser testemunha da ação sobrenatural de Deus naquela cidade. Minha maior preocupação era abordar pessoas de forma errada, ou conversar com pessoas que não quisessem conversar comigo naquele momento. E todas as vezes em que eu via a possibilidade de começar a conversar com alguém e orava antes pedindo para que Deus nos direcionasse a aquela pessoa da melhor forma, a pessoa em questão simplesmente saía do local, antes mesmo de terminar nossa silenciosa oração. Isso era divertidamente o agir de Deus. Ele conhece nossas limitações, assim também como conhecia as pessoas que precisavam ser expostas ao evangelho naquele momento. E dessa forma Deus conduziu nossa semana de evangelismo num campus da UCP (Universidade Católica de Petrópolis).
 
Entendemos então, que existia a necessidade de ter pessoas que multiplicassem a visão de expor o evangelho aos universitários. Abordamos pessoas que tinham o desejo de ter um relacionamento com Deus, algumas nos expunham isso com clareza. Porém daqui há uma semana voltaríamos as nossas casas e cidades. O que aconteceria¿ Quem mais estaria disposto a falar de um Deus que prova o seu amor por nós, entregando seu único filho para perdoar nossos pecados¿ Mais uma vez, percebemos o que já nos haviam de dito: “Deus está no controle!”
 
Dentre as pessoas que abordamos, encontramos cristãos, que por sinal, arrancavam um sorriso e até um abraço quando diziam que também eram cristãos. Esses no qual, também confessaram que sentiam e entendiam a necessidade de fazer a diferença de alguma forma dentro daquela universidade. Deus já havia falado ao coração deles, eles só não sabiam o que precisava ser feito. Tudo começava a se encaixar. E era lindo perceber e fazer parte disso. Nos encontramos algumas vezes durante a semana, oramos, alguns até se despuseram a evangelizar conosco. E na sexta-feira, 14 de agosto, um dia antes de voltarmos pra casa, aconteceu o primeiro quebra-gelo da UCP-BC. Tínhamos nossos queridos amigos da Cru Campus nos apoiando, estudantes da universidade dispostos a serem discípulos multiplicadores e um líder que começaria a ser discipulado. DEUS FEZ! DEUS SE MOVIMENTOU! E nós tivemos o privilégio de cooperar com isso.
 
E eu percebi que apesar da minha pouca fé, apesar de nem sempre ser grata como de fato deveria ser, eu vi e vivi o amor de Deus por mim. Entendi que sem Ele no controle, nada funciona, principalmente eu. Eu vi que sem fé é impossível agradar a Deus e quando você deposita toda sua fé, mesmo que pouca, você demonstra seu amor por Ele. E quando você ama a Deus com todo o seu ser, todas as cooperam para o seu bem. Eu só participei desse projeto missionário, porque Deus me ama acima de tudo e porque Ele tem misericórdia da minha vida. Ele ama Petrópolis, ama cada estudante que juntamente viveu essa semana comigo e ama também você, que está lendo esse testemunho.
 
Tenha ciência que Deus está se movendo, cabe a você perguntar a Deus como cooperar para que as coisas continuem acontecendo.
 
Deus te abençoe!
 

 

Brenda Rangel, 21 anos. 
Estudante de Comunicação Social – Jornalismo | UFRRJ (Rural).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *