A incrível relação entre uma cadeira bem feita e sua vocação universitária

Por Wesley Cunha*      Recentemente eu ouvi alguém dizer que, no período da Reforma, quando alguém queria saber se um carpinteiro era cristão, tomava-se uma cadeira fabricada por ele, olhava-se na parte de baixo do assento (onde ninguém vê) e verificava-se ali o acabamento. Se estivesse com a mesma qualidade do restante da peça,[…]

Morte aos Infiéis! – Do atentado no Quênia à sua obstinação por 'Vitória'.

De que Espírito vocês são? Por Fernando Bispo*          Acredito que todos nós ficamos chocados ao ver ataques terroristas de grupos religiosos fundamentalistas. Gente que mata em nome de um deus, ou antes, gente que crê que o deus cultuado exige tais mortes.           Essa realidade ainda me parece distante, restrita aos noticiários, nos boletins[…]

Dia 28. Sincretismo

         Estava evangelizando numa universidade quando encontrei um rapaz que me ouviu atentamente, entendeu o Plano de Salvação e decidiu aceitar Jesus como seu Salvador. Parecia alguém pronto a receber o evangelho. No fim da conversa, o rapaz disse que era budista e que sua filosofia de vida o permitia seguir variadas religiões. Inicialmente, fiquei[…]

Dia 27. Frutos

“Pode alguém colher uvas de um espinheiro ou figos de ervas daninhas?” (Mateus 7:16)          Ao longo desses oito anos de envolvimento com Cru Campus, pude me identificar com muitas pessoas em uma questão: tenho dificuldade de evangelizar parentes e amigos próximos. Eles conhecem meus “podres”, meus pecados, minhas dificuldades emocionais… Como é difícil! Quando[…]

Dia 25. Diálogo

         Quem nunca sentiu obrigação de “ganhar o debate” durante o evangelismo? Quem nunca fez questão de ter a última palavra contra os “pecadores”? Afinal, somos os detentores da Verdade, não é? Essas questões moldaram por muito tempo a forma como encarava o evangelismo e geravam ações desconectadas do modelo de proclamação que Jesus apresenta.[…]

Dia 24. Minhas legítimas preocupações…

         Quando era criança eu tinha muitas preocupações: que brinquedo ganharia no aniversário, a continuação do meu desenho preferido, se tiraria as rodinhas da bicicletinha, e por aí vai.            Quando me tornei adolescente, as preocupações mudaram, mas ainda eram importantes para mim: Seria aceito nos novos grupos sociais? Conseguiria comprar a roupa que[…]